fbpx

As doenças físicas são decorrentes de problemas não resolvidos no plano da consciência. Qdo temos inflamações na vagina, uma guerra se declarou no limite externo (entrada ou saída) do “submundo” feminino. A guerra foi causada por um conflito sobre o “direito de ingresso” no palácio feminino do prazer e do amor.
Causas médicas dessas inflamações podem ser a presença de micro-organismos patogênicos ou carência de hormônios femininos, sobretudo estrógenos.
As “condições climáticas” do ambiente (pH vaginal) definem quem tem condições de ficar ali. A flora vaginal saudável convive bem com ambiente ácido (pH ~ 4) e tem um caráter masculino, pois serve p/ repelir germes e proteger a genitália.
.
A carência de estrógenos mostra pouca inclinação para a sensualidade feminina e desinteresse por seus temas. A administração de estrógenos artificiais interfere no equilíbrio e nos ritmos da mulher. A mulher se sente “segura” com relação a uma gravidez endesejada e “abre a guarda” quanto à sua proteção natural contra invasores.
Muitas vezes, a vaginite é um álibi p/ q a mulher não “precise” ter relações sexuais. Parece q ela prefere “abrir as portas para os germes” do q para o parceiro, por dificuldades em impor limites claramente.

A tarefa sugerida pelo quadro clínico é a defesa instransigente dos portais do Jardim do Éden e a capacidade de sentir amor numa entrega voluntária. A culpa a respeito de um “ato pecaminoso” também pode ser considerado aqui. Tabus religiosos ou culturais podem levar a mulher a sentir culpa sexual e, assim, sentir raiva de si mesma por aquela situação, ficando “inflamada” de revolta, mas direcionando a agressividade p/ si mesma, bem naquela área q parece ser a causa de seus problemas.
A melhor coisa q a mulher tem a fazer é assumir o controle de seu próprio “submundo”.
.
P/ esses casos, costumo incluir ARISTOLÓQUIA (Mi) na fórmula. P/ pessoas com conceitos deturpados de pecado e q carregam sentimentos de culpa sexual, principalmente de origem religiosa. P/ remorsos e arrependimentos muito fortes q assumem caráter obsessivo. Coadjuvante na TPM, na menopausa e em todas as situações onde há autopunição e rejeição à vida.

Categoria:

Nenhuma Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *