fbpx

Sou fã de Divertida Mente!

Já assisti inúmeras vezes e uso nas aulas para explicar sobre as emoções. Terapia Floral é identificar e interpretar emoções o tempo todo, lidando com as mais diversas faces do ser humano.
Percebo que, assim como muitas pessoas não se conhecem, não conhecem suas emoções e isso é fundamental no autoconhecimento.

O filme Divertida Mente, sucesso da Disney e Pixar, conta a história de Rilley, uma menina de 11 anos que enfrenta uma série de mudanças em sua vida. O enredo se desenrola dentro da cabeça dela, onde 5 emoções — Alegria, Tristeza, Medo, Raiva e Nojo — são responsáveis por processar as informações e armazenar suas memórias.

A mente é comandada pela Alegria que não compreende a função da Tristeza na vida da menina e vive tentando inibir sua ação.

O filme aborda corretamente que as emoções realmente afetam nossa percepção, atenção, memórias e julgamentos. Elas guiam como lidamos com as circunstâncias realmente importantes de nossa vida, como mudanças de ambiente e o envelhecimento.

Emoções também são cruciais na maneira como nos relacionamos em sociedade e possuem grande controle a respeito de como nos lembramos dos fatos. As memórias não são uma representação factual do que aconteceu: quando lembramos de algo, não é uma representação exata da realidade, na verdade, tendemos a perder informações do que aconteceu, pois a memória é imperfeita e deixa as emoções serem parte da reconstrução desse passado.

Emoções devem ser trabalhadas em vez de suprimidas. A cultura ocidental nos ensina a suprimirmos as emoções e sermos mais racionais. Porém, o filme mostra justamente o contrário, indo ao encontro de teorias psicológicas que defendem que devemos saber lidar com os sentimentos, incorporando-os ao dia a dia, e não reprimindo-os.
Nossa cultura tende a cultivar certos valores emocionais como sendo corretos, tais como ser extrovertido e otimista, em detrimento de outros valores, como introversão e sensibilidade. Entretanto, emoções estão entrelaçadas com a cognição e a razão, sendo partes essenciais na construção da nossa mente.

Que tal falarmos sobre isso nas próximas sextas?

Nenhuma Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *